Depoimento-Parte-8

Agora, no meu caso: Cleber Alcasar e as ditas denúncias, já que o juiz é o juiz da 3ª vara criminal de Divinópolis faço eu o meu próprio depoimento público para que o público não necessite de ir ao tribunal da vara em questão para lá saber sobre a morte do inquirido, que mesmo sem culpa, foi jogado dentro de um presídio público, junto a criminosos confessos por três meses e 10 dias sem direito de comunicação ou visitas e, depois de ser humilhado, agredido e submetido a convivência com psicóticos, esquizofrênicos clássicos e neuróticos de todo o tipo definhou como um doente de leucemia e transfigurado tornou-se um número dentro do sistema prisional, até a morte.



Primeiro morte simbólica no esvaziamento da alma e a fragmentação do espírito. Segundo, a morte real física na entrega do corpo último ligador com a realidade humana e, por período longo no tempo, desistiu da vida. Enquanto isso, três meses antes, terceiro dia de confinamento de Cleber Alcasar no pavilhão 2, o preso Lázaro é morto em confronto por espaço dentro do pavilhão 1. Ser humano que talvez ninguém nunca saiba que existiu ou chore por sua morte, assim como Cleber Alcasar não chorou três meses depois pela própria morte. Enquanto a morte do preso Lázaro se confirmou em alguma cova num cemitério local, a ressurreição de Cleber Alcasar só pode hoje nos ser explicada pelo fenômeno científico da Catalepsia.



O Mestre disse: Limpa e vigia, não sabemos quando o ladrão pode chegar! Previna-se, pois o Mestre disse, de qualquer maneira, o ladrão vem! Acautele-se! Ao final da matéria a única coisa que importa é a liberdade ou será o livre arbítrio dito pelo mesmo, pois livres, mesmo em confinamento, estamos em liberdade. A mente livre de pensamentos mecânicos poderosos ou não a nos conduzir comportamentos mecanizados. Livre para raciocinar por si mesmo, como juiz de si mesmo. A flexibilidade de voltar atrás ou ir adiante assumindo os erros e a vergonha de tê-los cometido, a própria vida por sua própria culpa, pois o ladrão, também, será no fim dos tempos um anjo justiceiro a cobrar a separação do joio e do trigo.



E então alma única, o que fez com a minha liberdade que dei-lhe para você vivê-la em seu próprio nome e em seu único corpo humano como se eu fosse? Minha face única, pequena e imperceptível a lutar por mim de forma individual, além de inimigos, amigos, sócios, parentes, chefes, parceiros, colegas de trabalho e até mãe, pai ou filhos? Como poderá se esconder ou sumir sem a minha marca na sua testa? A marca da verdade única de cada indivíduo único como a única fagulha a clarear minha face que cada ser humano traz quando nasce e entrega quando morre. Quero-a de volta ou não viverá nem agora nem marcado para outra vida. Nada mais, nem deus contra o diabo, nem o bem contra o mal, apenas você contra você mesmo.



Cleber Alcasar e corpo vazio de uma alma penada pelo espírito fragmentado se fez livre, por conta própria, fugindo do inferno do confinamento, através do pedido de soltura via habeas corpus feito de próprio punho em papel comum em duas páginas, expressando o que era e porque nunca lá deveria estar. Livre perambula vazio de justiça e, por esse motivo, agora é juiz de si mesmo. Acompanhe a lógica, as reais provas, as irreais motivações e a verdade jurídica que tornou o caso um modelo para a jurisprudência na cura da rachadura legal por conta das leis opositivas e o modus operandi de criminosos oportunistas que se apoderam da sanidade jurídica pública por conta da inversão de valores provocada por essa rachadura.



Além do reconhecimento de sua existência, afetando tanto mentes superiores e lúcidas das classes dominantes, quanto as mentes comuns, frágeis e singelas do povo brasileiro como família nacional a proteger-se de devoradores da mente social coletiva na nação brasileira legalmente identificada na Constituição Federal e as consequências futuras sobre a defesa nacional pelo enfraquecimento fortalecido pelos oportunistas ideológicos em frequências de expressão de ataque constante, paulatino e em intervalos de enrustimento de sua presença ao longo do tempo com o apoio e colaboração de mentes jovens e/ou disponíveis tomadas de assalto por mecanismos ideológicos introjetados de poder subliminar falso.



Se o cidadão brasileiro paulistano, radialista, cantor, músico, ator, bacharelando em economia e psicologia, político, ex-candidato a vereador, ex-presidente do Partido Socialismo e Liberdade no município de Divinópolis em Minas Gerais e ex-preso conseguirá de volta sua vida, seus bens e sua família e sua dignidade de cidadão diante da sociedade brasileira, não sabemos. Entretanto, acompanhando esse relato/depoimento será possível a qualquer cidadão ou cidadã brasileiros identificar os crimes que estão se desembolando na vida de cada um para desfecho futuro.



Como poderá fugir dessa verdade? Vejamos, então, como os mecanismos de dominação, fuga, auto perpetuação, ataque criminoso, usando os meios de comunicação disponíveis para sua ação hoje tentam! Acompanhe no raciocínio das provas apresentadas nesse depoimento sobre a denúncia feita contra Cleber Alcasar, conduzindo-o à mortal prisão.

Redário Programa de Hospedagem Pública

Depoimento Público de Cleber Alcasar