O Rio Itapecerica sempre foi limpo

O que temos é simples a dizer. A energia solar é uma realidade de liberdade de recursos e gratuidade dada pela própria natureza. Para acessa-la é uma tecnologia simples de placas e interruptores. Grátis. Além da luz do Sol vida para a agricultura e para as florestas. O Sol indica o caminho e liberta o povo da CEMIG. Se o povo divinopolitano entender essa liberdade entenderá a limpeza do rio do mesmo jeito. A água é limpa, sai da terra limpa. A natureza ou Deus dá ela limpa. Quem suja é a própria COPASA de cada cidade ligando manilhas de esgoto em despejo nesse rio. Uma coisa é a incompetência da COPASA produzir uma rede de esgotos plena capaz de seguir rumo junto aos rios de todo o estado. Outra é aceitarmos.




Uma inversão de pensamento é necessária para entender a tragédia municipal em considerar o Rio Itapecerica sujo. Existe uma tecnologia que limpa tudo: a verdade. Existe uma tecnologia moderna em uso pela indústria petroquímica com direcionamento para alta pressão incluindo a condução de gás. Pressões suportadas por tubos de aço sendo sob avanço tecnológico da própria indústria petroquímica conduzidas por tubos de plástico de alta densidade. Veja a foto e perceba as dimensões e real sensação de capacidade técnica para o prometido. Entendam divinopolitanos que limpar o rio é nada mais do que retirar a sujeira que deveria seguir em redes de esgôtos e não dentro das águas do Rio Itapecerica de sua nascente e indo.



Quando a Constituição Federal gravita para o atendimento pleno dos direitos do cidadão, mas na realidade do dia a dia a estória muda e a história também é porque mesmo sendo difusa sinaliza o que é da natureza dos fatos humanos em comunhão , em cumplicidade com a natureza. Ter o Sol já é limpo, mas ter a eletricidade livre pelo Sol é prova disso. A água idem. Ela já vem limpa do rio só tem que tirar os canos que estão vazando dentro do rio e manda-los para a rede de esgotos dentro de tubos como os acima e em paralelo ou até dentro do rio. Entenderam? Separar as águas mesmo que fluindo juntas. Limpas e sujas do município em nome do Rio Itapecerica e do povo divinopolitano.



Se o rio divinopolitano é na verdade uma mistura de rios: Vermelho, Gama e Santo Antonio, deixa para frente córregos de vários nomes com águas sujas é claro. Limpar o Rio Itapecerica seria em realidade canalizar toda a rede de esgotos da região centrooeste da nascente até a região urbana de Divinópolis. A partir daí, a COPASA limpa. Quanto ao município é água limpa em cima e suja embaixo. Só que suja no lugar certo. No tubo de esgotos. O engano no conceito é tão grande que as autoridades dão nomes aos córregos (esgotos urbanos a céu aberto) com orgulho de tê-los. Ora, pense nisso como uma ilusão de competência.



Veja na ilustração presente no livro de ALEN SOBRINHO, Sistemas de Esgoto Sanitário. Disciplina Saneamento II. São Paulo. Escola Politécnica da USP. O cidadão produz a dita sujeira e a emite por debaixo da terra em tubos plásticos até as Redes Coletoras com as conhecidas manilhas de concreto da COPASA. Daí para frente divinopolitanos de quem é a responsabilidade dessa sujeira chegar no Rio Itapecerica? Teoricamente pela lógica seria a COPASA, que deixa de agir dentro de suas funções e passa a produzir discursos de justificativas sempre impondo a culpa ou sobre os cidadãos ou sobre os miseráveis que vivem a beira dos rios jogando colchões, urinando e defecando fora do cano da COPASA. Ora, a COPASA faz o mesmo.



O que temos, então, é simples de dizer, mas difícil de aceitação pelas autoridades, principalmente autoridades envolvidas no ato criminoso da incompetência contra o patrimônio público:. Gente ganhando altos salários às custas do povo, do cidadão simples e sua família, que precisam de água limpa para viver e nunca de justificativas. Justificativas nunca mataram a sede de nenhum ser, principalmente humano. A inocência, talvez. Pense, então. A CEMIG durante décadas nos fez investir em um caminho de eletrificação com fios estúpidos produzindo energia estática difusa sobre nossas cabeças e impedindo que nossos pensamentos sejam limpos e livres rumo ao céu divino, onde brilha o Sol. Sol gerador da verdadeira energia.



Observem divinopolitanos que o ambiente muda sensivelmente com a ausência da fiação caótica colocada desde a Revolução Industrial no mundo, que torna caótica nossas vidas e nos custa em contas mensais, que financiam a incompetência de quem insiste em justificar-se ao invés de assumir a verdade. Agora percebam o fato semelhante quanto ao ambiente urbano no entorno dos rios em cidades onde o respeito à vida, aos direitos humanos e da natureza é o rumo. Temos certamente um desafio em canalizar 29 km da nascente do Itapecerica até o centro de Divinópolis, afinal nada foi feito nesse sentido pelos especialistas no assunto durante décadas. O primeiro a fazer é assumir a verdade de que o modelo COPASA está equivocado.



Observem agora o ambiente tanto das residências e ruas sem fiação, quanto a qualidade da água nesta cidade comum de um país desenvolvido qualquer. Nada. Será que essas pessoas não urinam e nem defecam. Então como podem ter essas águas tão limpas.